Deus Evangelho

Religião e Evangelho: Um Casamento Possível?

11:44Maicon Custódio


A alguns que confiavam em sua própria justiça e desprezavam os outros, Jesus contou esta parábola:
"Dois homens subiram ao templo para orar; um era fariseu e o outro, publicano.

O fariseu, em pé, orava no íntimo: ‘Deus, eu te agradeço porque não sou como os outros homens: ladrões, corruptos, adúlteros; nem mesmo como este publicano.

Jejuo duas vezes por semana e dou o dízimo de tudo quanto ganho’.

"Mas o publicano ficou à distância. Ele nem ousava olhar para o céu, mas batendo no peito, dizia: ‘Deus, tem misericórdia de mim, que sou pecador’.

"Eu lhes digo que este homem, e não o outro, foi para casa justificado diante de Deus. Pois quem se exalta será humilhado, e quem se humilha será exaltado".
Lucas 18:9-14
 A alguns que confiavam em sua própria justiça e desprezavam os outros, Jesus contou esta parábola: "Dois homens subiram ao templo para orar; um era fariseu e o outro, publicano. O fariseu, em pé, orava no íntimo:'Deus, eu te agradeço porque não sou como os outros homens: ladrões, corruptos, adúlteros; nem mesmo como este publicano. Jejuo duas vezes por semana e dou o dízimo de tudo quanto ganho'. "Mas o publicano ficou à distância. Ele nem ousava olhar para o céu, mas batendo no peito, dizia:'Deus, tem misericórdia de mim, que sou pecador'. "Eu lhes digo que este homem, e não o outro, foi para casa justificado diante de Deus. Pois quem se exalta será humilhado, e quem se humilha será exaltado". (Lc 18.9-14)

A alguns que confiavam em sua própria justiça e desprezavam os outros, Jesus contou esta parábola:

"Dois homens subiram ao templo para orar; um era fariseu e o outro, publicano.

O fariseu, em pé, orava no íntimo: ‘Deus, eu te agradeço porque não sou como os outros homens: ladrões, corruptos, adúlteros; nem mesmo como este publicano.

Jejuo duas vezes por semana e dou o dízimo de tudo quanto ganho’.

"Mas o publicano ficou à distância. Ele nem ousava olhar para o céu, mas batendo no peito, dizia: ‘Deus, tem misericórdia de mim, que sou pecador’.

"Eu lhes digo que este homem, e não o outro, foi para casa justificado diante de Deus. Pois quem se exalta será humilhado, e quem se humilha será exaltado".
Lucas 18:9-14
No início da década passada o autor e pastor, Glênio Paranaguá lançou um livro de título forte, chamado "Religião: Uma Bandeira do Inferno". No livro, ele fala acerca da diferença essencial entre religião e evangelho, as agendas distintas de um e outro e da visão do autor, que percebe que, enquanto este faz um serviço ao Reino, aquele faz um desserviço. Sem dúvida, este não foi o primeiro livro sobre o assunto da dualidade Religião X Evangelho, mas foi o primeiro com o qual eu tive contato.

A grande questão é que este discurso veio crescendo nos últimos tempos e ganhando espaço no meio do povo cristão sem que tenha se dado a devida atenção ao assunto. Cada vez mais as redes sociais são infladas com as ideias de que a religião e os religiosos são maus, e que o evangelho puro e simples é aquele que se livra da institucionalização e de qualquer coisa que tenha um ar de "agregador ideológico". No último senso, diga-se de passagem, foi constatado um número expressivo (algo entre 12,5% e 14%) de pessoas evangélicas não-praticantes. Dentro deste número estariam inclusos os que são "cristãos" fora de alguma denominação.

Dentro disso tudo, o que me deixa bastante intrigado é este discurso repetitivo e piegas de que "religião é isso, é aquilo e blablabla". Decidiram que todo uso do termo "religião" e de seus derivados tem apenas caráter pejorativo. Os "caio-fabianos" da vida, resolveram que se você estuda teologia sistemática você é "religioso"; se você é contra o casamento gay você é "religioso"; se você é dizimista você é "religioso"; se você foi batizado e é membro comungante de alguma denominação você é "religioso"! E sabe qual é o argumento mais forte dessa galera? JESUS VEIO PARA "LUTAR" CONTRA OS RELIGIOSOS!

Vem cá, meu amigo, deixa eu te falar uma coisa. Jesus não se levantou contra a religião, pelo contrário, se levantou contra a religiosidade hipócrita e estas duas coisas são bem distintas, muito diferentes mesmo! A religião é, por definição, um termo que remete ao verbo "religar", neste caso, ao Divino. Um teólogo reformado, João Calvino, denominou semen religionis ou sensus divinitatis esta inclinação pessoal e instintiva que o ser humano tem pela busca de algo maior do que ele mesmo, algo divino. 

Se nos limitarmos à religião cristã, podemos dizer que a verdadeira religião está no amor a Deus e ao próximo, sendo ambos expressos genuinamente na pessoa de Cristo Jesus, Seu Filho, nosso Salvador e maior exemplo do ideal do que é ser humano. E que, esta religião verdadeira é expressa de forma prática em nós quando praticamos as boas obras que Deus, de antemão, preparou para que andássemos nelas (Ef 2.10). Além disso, o evangélico separatista é contrário à Escritura, que nos mostra que a essência de igreja é plural, pois ela é corpo, ela é comunidade, ela é ajuntamento de gente e ainda em relação a ela diz-se que não é bom que deixemos de congregar como é costume de alguns (Hb 10.25).

Por outro lado, a religiosidade hipócrita é real e assola os cristãos mais do que gostaríamos. Ela é nociva, farisaica, julga indiscriminadamente, se coloca como padrão de santidade, eleva o valor das obras pessoais acima de qualquer coisa o que, no fim das contas, chega a ponto a anular a obra de Cristo, enfim, um evangelho meritório e sem graça (em ambos os sentidos). Era exatamente o que os fariseus faziam e, por isso, conquistaram a antipatia imediata de Jesus Cristo que criticou a sua religião hipócrita. Claramente, Cristo se manifestou contra as práticas religiosas dos fariseus, mas em momento algum contra o fato de existir a religião, principalmente se olharmos que Jesus vem como um cumprimento e reforma TAMBÉM (e não apenas) da religião e dos mais profundos anseios dos israelitas.

Para encerrar, queria orientar a você que assumiu este discurso chato e sem noção de que religião e evangelho são coisas distintas. Você que apelida de religioso todo aquele que discorda de você; você que na caminhada da fé resolveu viver uma espiritualidade isolacionista... Seja mais coerente e leal quando for falar deste assunto. Não seja um mero eco das ideias de alguns "ícones gospel" do momento, pense por si mesmo e deixe de ser massa de manobra... e de uma vez por todas:

Evangelho pode estar dentro da religião, o religioso pode praticar o evangelho; porém, na religiosidade hipócrita há isolacionismo, há orgulho (vide oração do fariseu), há muita obra e pouca graça... Reveja seus conceitos e seja um religioso de verdade, nunca um falso religioso, pois, desses sim, Jesus discorda vorazmente!

Abraço forte,

Pr. Maicon

Você Poderá Gostar de:

2 comentários

  1. Excelente Rev. Maicon. O povo precisa aprender a estudar um pouquinho o sentido das palavras antes de sair levantando bandeira contra elas.

    ResponderExcluir
  2. Verdade, pastor! Um pouco de conhecimento nunca fará mal a ninguém!

    Abs

    ResponderExcluir

Comente. Debata. Discorde. Elogie. Concorde.
Desfrute deste espaço que é seu, amado leitor.
Apenas me conservarei no direito de não responder ANÔNIMOS e conseqüentemente deletar seus comentários.

Na paz do Eterno.

Pr. Maicon

Instagram

Siga!

Formulário de contato