Apologética Biblia

Bíblia e Missão: Freestyle ou Integral?

15:58Maicon Custódio



BÍBLIA FREESTYLE E COMUNIDADES UNDERGROUND

Nestes últimos dias a internet e a blogosfera cristã repercutiu dois assuntos interessantes e controversos. A tradução Freestyle da Bíblia Sagrada e os princípios elementares da Teologia de Missão Integral. Como em ambos os casos tivemos pastores presbiterianos envolvidos (alguns deles meus professores no CPAJ) e também alguns  pastores de outras denominações a quem admiro, me senti compelido a fazer algumas considerações sobre o ocorrido nos dois casos.

Quanto à Bíblia Freestyle (BFS), houve um debate no programa "Vejam Só" da RIT. Neste debate estavam o autor da BFS, Ariovaldo Júnior, e o diretor do Seminário Presbiteriano JMC, Ageu Magalhães. As considerações dos debatedores após o debate podem ser vistas AQUI e AQUI.

Antes de tudo, quero dizer que adorei o debate e que a educação e a cortesia entre eles foi legal. Foi muito didático e elucidativo e, se fosse aquela coisa de "quem ganhou", eu diria que houve um empate, pois ambos conseguiram ser claros em expor seus pontos. Não entenda isso como uma posição "muralista" de minha parte, mas apenas uma análise - que pelo menos tenta ser - imparcial e que, depois de assistir a conversa, consegue sair satisfeito com o que viu e não acha que um "engoliu" outro.


COMENTO:

Tenho meus pontos de divergência e convergência com ambos, tanto nos assuntos debatidos quanto em outros que nem sequer foram mencionados na conversa. Mas, me apegando aos dois assuntos debatidos eu concordo com o Ariovaldo Jr quanto à questão da idolatria da forma, da necessidade de relevância cultural por parte de igrejas históricas e principalmente quanto ao valor do trabalho das igrejas underground. Por outro lado eu concordo com o Ageu quanto ao fato de que a linguagem da BFS é uma bola fora e que o parâmetro pragmático do "está funcionando" não é sinal de que esteja certo.

Enfim, nós, históricos e conservadores, precisamos sim, pra ontem, interagir com a cultura e trazer gente como o Ariovaldo para o diálogo, pois, ele tem muito a somar na sua leitura da sociedade e na sua facilidade de diálogo com a cultura, por outro lado, creio que o pessoal do underground vai ser muito abençoado se vier para a mesa do debate e ouvir sobre a questão da solenidade e reverência do culto a Deus. E mais, creio que a idolatria de métodos e formas é um problema de lado a lado e o diálogo pode fazer com que nos arrependamos naquilo que temos falhado.


MISSÃO INTEGRAL

Mal baixou a poeira do evento da BFS - se é que já baixou - veio à tona um outro tema: A Teologia da Missão Integral (TMI). Tudo isso foi fomentado quando o Dr. Augustus Nicodemus, em seu programa na TV Mackenzie, denominado "Academia em Debate" trouxe os professores e pastores Jonas Madureira e Filipe Fontes para uma conversa sobre o assunto. Apesar do nome do programa, foi uma conversa entre três pessoas que não são adeptas da TMI, ou seja, não havia representantes da ala favorável a ela. Porém, deve-se ficar claro que o formato do programa NUNCA foi de "debate entre as partes" em nenhum outro assunto, pelo contrário, sempre seguiu o modelo de conversas com pessoas que representam o mesmo lado. Particularmente, preferia o debate entre as partes, mas isso, EM NADA, desvaloriza as opiniões dos que participaram do programa, nem o programa, pois, mostra que em 6 anos de existência o Dr. Augustus mantém coerência na hora de escolher temas e convidados.

A conversa foi muito bacana entre os três e, ao contrário do que os adeptos da TMI afirmaram depois da exibição, eles demonstraram conhecimento acerca do que falavam, bem como leitura de obras primárias e ainda, no caso do Prof. Jonas, conversas pessoais tanto com René Padilla quanto com o Ariovaldo Ramos, proponentes da TMI a nível latino-americano e brasileiro, respectivamente. 

Ficou claro depois do debate também que a idolatria de métodos e formas também impera neste assunto, pois alguns ataques muito fortes e até mesmo pecaminosos se iniciaram. Aquela ideia de que, se você adere a TMI você é um marxista que deseja matar toda a classe média e promover a revolução do proletariado ou, se você não é a favor da TMI, logo, você odeia os pobres, é um latifundiário que tem 250.000.000.000 de escravos trabalhando nos seus canaviais. [In]Felizmente, essas reações foram restritas aos "seguidores", pois, os mestres, maduros e envolvidos diretamente no debate foram verdadeiros cavalheiros. 
Leia as reações de cada um deles:

Ariovaldo Ramos: AQUI
Filipe Fontes: AQUI
Augustus Nicodemus: AQUI
Jonas Madureira: AQUI

E duas opiniões não menos importantes, porém não participaram do debate de maneira mais direta:

Guilherme de Carvalho: AQUI
Ed René Kivitz: AQUI


COMENTO:

Não sou adepto da TMI. Creio que, na teoria, no discurso, em público, ela não tem mesmo tanto com o marxismo assim, mas na prática - pois teologia é praticada por pessoas - ela tem um viés profundamente marxista, por causa daqueles que a aplicam. Por outro lado, não sou burro a ponto de dizer que TMI é tudo de ruim, pelo contrário, temos muito a ouvir de suas propostas, principalmente no que tange a uma resposta cristã à desigualdade e o diálogo redentivo com as minorias. Os adeptos da TMI fazem isso muito bem.

Me causa espanto associar a não concordância com a TMI com termos como "reaça" e "coxinha" (ainda que eu curta ser chamado dessas coisas, rs), que odeia pobre e quer uma igreja elitista. Isso soa tão maniqueísta e infantil quanto chamar qualquer adepto da TMI de "viúva de Che" ou de "idiota útil". Pra mim, o buraco é mais embaixo e tem a ver com a urgente necessidade de uma resposta cristã às grandes questões da sociedade atual. A resposta é o Evangelho, puro e simples, mas com a percepção de que não é suficiente dar o "Pão da Vida" sem dar o pão de trigo, ou apresentar o "Sol da Justiça" sem proporcionar também a dignidade de se dormir numa cama quente. O Evangelho dissociado das boas obras e da misericórdia é fé morta, diz-nos Tiago.

Faço coro com o Filipe Fontes e creio que a melhor resposta teológica e prática (ainda que não seja perfeita) é o neocalvinismo holandês. Reconheço que os adeptos da TMI estão milênios-luz à nossa frente na questão prática, cabe a nós, conservadores, darmos a mão à palmatória, vestir a carapuça, calçar as sandálias da humildade e começar a trabalhar. 

Não adianta continuar vivendo das glórias de Genebra e de Amsterdã enquanto aqui na minha cidade e na sua tem gente que não conhece a Cristo e que está morrendo às margens da sociedade. Enfim, teologicamente, os conservadores estão à frente do pessoal da TMI, mas na prática, tomamos de goleada.


CONCLUO:

As duas polêmicas apontam para pelo menos 4 coisas que listo aqui:

1. Teórica, histórica, teológica e filosoficamente os conservadores sabem o que devem fazer, tem bons exemplos, um pano de fundo fantástico, mas estamos dando respostas do século XVI ao século XXI. Passou da hora de reconhecermos nossos erros práticos e usarmos a excelente teologia que temos para algo contundente e de abrangência social que promova a glória de Deus, a dignidade humana e a salvação dos perdidos;

2. Estamos lidando com gente que quer trabalhar no Reino. Não temos nenhum desses fanfarrões das pseudo-igrejas da TV, mas gente com história de envolvimento com a causa do Evangelho. Passou da hora de sentar pra se unir em prol de uma resposta sábia e biblicamente orientada aos problemas reais da nossa sociedade;

3. Ambos os debates mostraram que sentar na mesma mesa é possível. O orgulho "reformado" não pode nos impedir de recebermos contribuições valiosas de quem é underground ou mesmo dos pontos de contato possíveis com a TMI. Nem, por outro lado, o preconceito contra os conservadores deve ser o argumento dos "revolucionários" para se virar contra toda a tradição que também tem muito a ensinar;

4. Por fim, já dizia Calvino que nosso coração é fábrica de ídolos. E me assustou ver gente partindo pra confronto e apelação no meio das conversas depois dos debates.
- Você pode argumentar que "foi pra briga" por causa do Evangelho, mas foi?
- Será que não foi porque o "orgulho reformado" ou o "orgulho revolucionário" falaram mais alto no nosso coração? Será que não temos idolatrado nossos sistemas?
- Será que não temos nossos teólogos e teologias como infalíveis?

Enfim, cuidemos, a começar em mim mesmo, para que não briguemos pelo evangelho, ofendamos pelo evangelho, nos ceguemos para opiniões diferentes com o argumento de defesa do evangelho e continuemos justificando tudo por causa de nossa "paixão pelo evangelho" e no fim das contas percebemos que brigamos por causa de tudo, vivemos por causa de tudo, menos por causa do Evangelho... 
Aquele Evangelho de Nazaré. Verbo de Deus.

Confiado na Fé, Esperança e Amor que fluem do VERDADEIRO Evangelho,

Pr. Maicon.

Você Poderá Gostar de:

13 comentários

  1. Boas ponderações. Creio mesmo que nossa teologia reformada, infelizmente, têm nos últimos anos gerado "profetas sangue nos olhos", quando deveria gerar profetas que conseguem aplicar de forma simples o "Evangelho" de Jesus Cristo. Todavia, apenas entenda que quando digo de forma simples, não me refiro a ser simplista, pois o "Evangelho" vivido de forma simples é a profundidade que a nossa geração rasa e superficial precisa ouvir e se inteirar. Enfim, creio que o diálogo com outras formas de pensamento e sempre válida e temos, de fato, muito a aprender com eles - aprender em aspectos que a TMI, BFS, tem suas verdades - e como cremos que "toda verdade é verdade de Deus"! Abraços pastor e Deus te abençoe nesta caminhada de confrontação apologética em amor e sabedoria!!

    ResponderExcluir
  2. Boas ponderações. Sobre a BSF vi pouco. MI integral tenho acompanhado e conheço vários dos envolvidos, time de 1ª. Bom debate.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso mesmo Eliana. Tem gente muito capaz no debate e, mais que isso, homens de Deus. Oremos e trabalhemos pelo bem da Igreja de Cristo.

      Abs

      Excluir
  3. obrigada por sua contribuição ponderada e centrada pastor! Eu tenho acompanhado as duas polêmicas e tenho a tendencia de ser "reaça" (rsrsrsrsrs). Mas caminho para buscar o equilíbrio e acho que essa é uma luta que temos que travar internamente todos os dias... Que Deus nos ajude!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Bíblia nos fala sobre guardar nosso coração. É bem por aí.
      Guardar de extremismos e buscar o equilíbrio.
      Faz parte.

      Abraço

      Excluir
  4. Perfeito! Você foi muitooo feliz em cada palavra! Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela visita e pelo comentário, Cleber.

      Deus o abençoe.

      Excluir
  5. Muito boa a colocação...é por aí mesmo..que Deus faça em mim o que é preciso..

    ResponderExcluir
  6. Obrigado pelo comentário. Sua oração é também a minha. Temos muito a crescer.

    Abraço

    ResponderExcluir
  7. Teologia, muralista, marxista... Sinceramente eu odeio a complexidade inútil que pessoas criam encima dos ensinamentos de Cristo.

    Não sei o que significa nenhum destes termos que pessoas "cultas" utilizam.

    Muita explicação e pouca execução do Amor ao próximo como a ti mesmo.

    Nação de obras e fé mortas, doutores em leis e literaturas mas na hora de ir pra rua e exercer. Triste ouvir frases como o último cristão morreu na cruz, e é por causa de toda essa complexidades de maneiras, marxismos, socialismos, tantos ISMOS mas ninguêm nunca diz Ame seu vizinho como a si mesmo.

    Ainda bem que o reino de Deus será herdade pelos simples como uma criança pois aparentemente a terra é lugar de doutores de leis apenas.

    A mensagem não é contra você pastor, longe de mim pois não te conheço, mas é um desabafo do que tenho visto em redes sociais e discuções dentro de igreja.

    Suiro que as pessoas recebam as coisas de Deus como crianças, simplicidade e pureza pois estes "debates" cheios de termos e filosofias pouco agregam para a essencia da mensagem de Deus.

    Para os estudiosos é maravilhoso mas para os necessitados que são a maioria não.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela sua contribuição, Leandro.
      Creio que não podemos ser nem de um extremo, nem de outro. Boa teologia e boa prática devem andar juntas. A grande questão de toda a discussão aí é que alguns alegam: "tenho teologia" outros alegam "tenho prática", mas se as duas não andarem juntas a gente vive como o cão que corre atrás do próprio rabo.

      Abração

      Excluir
  8. Sou lésbica e espero q Deus me perdoe se lesbianismo realmente for pecado, "Amor ñ é pecado ou amor vai ser pecado so porque a pessoa é do msm sexo q eu"

    ResponderExcluir

Comente. Debata. Discorde. Elogie. Concorde.
Desfrute deste espaço que é seu, amado leitor.
Apenas me conservarei no direito de não responder ANÔNIMOS e conseqüentemente deletar seus comentários.

Na paz do Eterno.

Pr. Maicon

Instagram

Siga!

Formulário de contato